Entendendo o Camboja

7 de Março de 2016

Período viajado: Outubro/2015

Oficialmente Reino do Cambodia, ou Camboja, como costumamos chamar no Brasil.

Com certeza, uma das viagens mais marcantes da minha vida! Um lugar intenso, onde as emoções se alternam entre comoção e deslumbre. Com um histórico recente cheio de violência, contrasta com a rica espiritualidade e alegria inimaginável das pessoas nos dias atuais.

Camboja 1
Angkor Thom, Bayon – Siem Reap

A primeira impressão é de um pais de grandes contrastes sociais, lindas paisagens, templos grandiosos que nos transporta para uma história distante e recente ao mesmo tempo. Um país com uma energia incrível do seu povo. Um país que só se abriu para o turismo mundial na década de 1990, consequência de inúmeras guerras. Um país acolhedor. Um país FASCINANTE!!!!

Camboja 2
Uma população que olha para frente, sempre!

Um país com 15 milhões de habitantes, onde Phnom Penh é a capital política e econômica, mas Siem Reap é a principal potência turística, tendo atualmente o turismo como a sua segunda maior fonte de renda.

O país tem uma longa história, começando pela sua posição estratégica, que entre os séculos 1 a 6, serviu de passagem para as rotas de comércio entre a China e Índia. O país sofreu muita influência da Índia, absorvendo sua cultura, língua e religião. O ápice se deu com o império Khmer e com a construção de Angkor, porém as constantes guerras com seus vizinhos tailandeses e vietnamitas levaram a queda do grande império.

Camboja 3
Retratando uma longa história

A colonização francesa no século 19 ajudou de certa forma a preservar suas fronteiras, mas como os franceses tinham mais interesse no Vietnã, o país ficou meio esquecido. O pior momento da história do país se deu com a guerra civil, na década de 70, com milhares de mortos devido as perseguições pelo Partido Comunista Khmer Vermelho, comandado pelo ditador Pol Pot, com certeza, a face mais cruel da história do Camboja.

Camboja 4
O maior genocida de todos os tempos!

Qualquer cambojano com mais de 35 anos fez parte do experimento social mais sangrento do século 20, seja como vítima ou como carrasco. Milhões de pessoas foram forçadas a deixar seus lares e trabalhar em campos de concentração. Eles perderam membros da família que morreram de fome, doenças ou assassinato. Um período de execuções brutais e arbitrárias.

O Khmer Vermelho tentou eliminar qualquer pessoa que tivesse estudo. Intelectuais, artistas, professores, médicos, engenheiros… quase todos foram assassinados. Apenas os “puros” e “não-corruptos” camponeses, ou aqueles que conseguiram enganar os executores, foram poupados. Para viver, era preciso ser muito esperto ou se fingir de muito bobo.

Camboja 5
Um povo simples, em busca de sobrevivência

Uma história que segundo os números oficiais, executou quase 2 milhões de pessoas, e que em número não oficiais, mais que dobrou. Uma história que deixou fortes consequências em todas as famílias do país, seja na saudade dos familiares executados, seja nas consequências físicas dos remanescentes, ou até mesmo, na pobreza financeira e cultural de toda uma população. Longe, o maior massacre proporcional a uma população de um país. #TristeHistória

Ainda há muitas pessoas mutiladas, vitimas de inúmeras minas instaladas na época do regime de Pol Pot. Atualmente, o ex-líder comunista Hun Sen, que lutou contra Lon Nol pelo Khmer Vermelho e depois contra Pol Pot, é o Primeiro-ministro do Camboja no partido que governa o país chamado de Partido Popular de Camboja.

Uma viagem para turistas que procuram paisagens naturais estonteantes, ruínas milenares. Uma viagem intensa, forte……marcante!!!!

Camboja 6
A natureza em harmonia com a história

Nossa viagem:
Por tratar-se de uma viagem mais exótica, e com um idioma incompreensível para nós brasileiros, preferi sair do Brasil com a viagem já toda organizada, e confesso que valeu super a pena. Contratei todos os serviços através da empresa “Trails of Indochina”, baseada no Vietnã. Fantástica!!! Hotéis bem selecionados, guias pontuais e super prestativos, com carros confortáveis. Havia toda a privacidade e liberdade por ter escolhido a opção “privativa do roteiro”, o que proporcionou um enorme conhecimento e aproveitamento do destino. Financeiramente falando, sem dúvida uma viagem no modelo “privativo”, acaba saindo mais caro, mas considerando essa região do mundo, a Indochina, tudo é muito barato. Então o que pagamos a mais, valeu BASTANTE pelo conforto que tivemos.

Camboja 9
Belmond Angkor, nossa escolha em hospeagem em Siem Reap

Nessa mesma viagem, visitamos o Vietnã e o Laos. Segue roteiro:

No Vietnã: Clique AQUI para saber mais sobre o VIETNÃ
2 noites em Hanói – Clique AQUI para saber mais sobre Hanói
1 noite em Halong Bay – Clique AQUI para saber mais Halong Bay
2 noites em Hoian – Clique AQUI para saber mais Hoian
1 noite em Hue – Clique AQUI para saber mais Hue
2 noites em Saigon – Clique AQUI para saber mais Saigon

No Camboja:
3 noites em Siem Reap

No Laos: Clique AQUI para saber mais sobre o LAOS
3 noites em Luang Prabang

Camboja 10
Tonle Sap Lake

Como Chegar:
Utilizamos a Cambodia Angkor Air para chegar a Siem Reap, voando desde Ho Chi Minh City (Vietnã). Bastante confortável.

Não existem vôos diretos desde o Brasil para qualquer cidade nessa região da Indochina, sempre havendo a necessidade de fazer alguma ou algumas conexões. As companhias aéreas mais utilizadas para viagens para a Ásia são: Qatar Airways, fazendo conexão em Doha; Emirates Airlines, saindo do Rio de Janeiro ou São Paulo, com conexão em Dubai, ou a Etihad Airways via Abu Dhabi. Algumas cias. aérea europeias também voam para a Ásia, chegando por Hanói, Saigon (Ho Chi Minh City) ou Bangkok. A principal rota de vôo para chegar a Siem Reap, é via Bangkok (Tailândia), onde há inúmeras opções de vôos direto, distante apenas 1 hora, com preços irrisórios.

Camboja 7
A companhia aérea oficial do país
Camboja 8
O simpático aeroporto de Siem Reap

Roteiro:
O ideal é combinar a visita ao Camboja com outros países da Indochina. Tailândia, Vietnã, Laos ou Myanmar, vai muito bem. 

Mapa Camboja
Indochina, Sudoeste Asiático

Documentação:
É necessário portar o comprovante internacional da vacina contra febre amarela além de visto. Clique AQUI para saber mais sobre a vacina

Como não há embaixada do Reino do Camboja no Brasil, para portadores de passaporte brasileiro (e várias outras nacionalidades também), o visto do Camboja pode ser providenciado na entrada do país, no próprio aeroporto. É necessário pagar uma taxa de U$ 20 por passaporte, em espécie mesmo, levar 1 foto 5×7 e preencher um formulário. Ahh, é necessário ter pelo menos 1 página livre no passaporte para a concessão do visto.

Camboja 11
Formulários de procedimentos imigratórios

Tenha em mente que no Camboja, tudo resolve-se com uma gorjetinha. A forma da nossa recepção na imigração em Siem Reap, nunca havia acontecido em outros países visitados. Tínhamos contratado todos os serviços referente a nossa estádio no país, com a empresa “Trails of Indochina”, fantástica!!!! Já na saída do avião, em vôo internacional, pois estávamos chegando do Vietnã, o nosso guia com um auxiliar nos aguardava antes da passagem pela imigração. Recolheu nossos passaportes, a foto e o valor referente ao visto e entregou ao agente de imigração, que imediatamente nos passou na frente de todos da fila, nos liberando de todo o processo, inclusive permitindo que o auxiliar do nosso guia ficasse aguardando nossas bagagens e a finalização da emissão do nosso visto, enquanto fomos descansar no hotel. Lógico que no final, todos estavam aguardando a merecida gorjeta.

É possível providenciar o visto, de forma antecipada pela internet, o E-Visa. As taxas são mais caras e, pelo que li, existem várias empresas não confiáveis, fazendo essa prestação de serviço de emissão de visto principalmente para o Vietnã e para o Camboja. Cuidado!!!

Camboja 12
Culinária de rua, bem tradicional no Camboja

Melhor período do ano para viajar:
Para quem pretende viajar para o Camboja, como para praticamente todos os países da Indochina, precisa observar COM ATENÇÃO o período chamado Monções Asiáticas (ventos sazonais que estão diretamente ligados à estação chuvosa). 
Considere como melhor período para a viagem, entre novembro a abril, período com menos chuvas. De fevereiro a maio é o período mais quente do ano, com temperatura podendo chegar a quase 40 graus.

Camboja 13
Nossa visita a Angkon Wat, em um dia muitoooo chuvoso

Religião e Costumes:
A religião predominante no Camboja é o Budismo, praticado por mais de 90% da população. A imagem de Buda está sempre presente e merece ser respeitada. 
Por questão de respeito a religião, as mulheres, em visitas a locais religiosos, principalmente templos (Wats), precisam estar vestidas de forma compatível com a religião budista, ou seja: Cobrir os ombro (eu sempre levava uma jaqueta leve na minha bolsa). Para homens é tudo mais tranquilo, mas mesmo assim deve evitar os shorts ou bermudas curtas e camisetas tipo regata.

Camboja 14
Nossa benção budista!!!

Dinheiro oficial:
A moeda oficial no Camboja é o Riel (KHR). Para se ter uma ideia, U$ 1,00 vale 4,00 Rieis, mas na prática, a moeda oficial do país é o dólar. Nada é cobrado em Riel. Em todos os lugares, restaurantes, hotéis ou atrações turísticas, o valor sempre é anunciado em dólar. A dica é viajar com dólares e de preferencia, algumas notas em baixo valor para facilitar troco.

O Camboja é um país com um baixo custo no que se diz respeito a alimentação e a despesas básicas de uma viagem como pegar um taxi, ingresso para entrada em templos ou atrações turísticas, ou até mesmo compra de souvenirs. Valores irrisórios comparando com países europeus ou até mesmo com países na América do Norte. Preço de hotel 5 estrelas e restaurante gourmet é caro em qualquer lugar do mundo, por isso não vou levar em conta na comparação do custo da viagem.

Camboja 18
Tuk tuk, o meio de transporte local

Cartão de crédito é aceito em hotéis e restaurantes maiores. No Camboja há muito mercado informal, barracas de souvenirs, massagens e restaurantes pequenos pelas ruas. Nesses locais haverá muita dificuldade em pagamento com cartão de crédito, portanto, tenha sempre dólar em espécie. #FicaDica

Não é obrigatório deixar gorjetas, porém em restaurantes, espera-se com grande expectativa receber em torno de 10%. Aos guias e motoristas também é comum deixar uma gorjeta.

Sobre compras de ruas (souvenirs) e passeios de taxi tuk-tuk, a regra obrigatória é barganhar. Média de 30% de redução. Há que negociar muitooooo! O mesmo acontece com os taxis normais, combine o valor da corrida antes.

E a principal dica! Lembre-se, no Camboja, TUDO se resolve com uma gorjetinha extra!!!

Camboja 19
Em Siem Reap, no shopping King’s Road

Segurança:
Apesar do Camboja ser um país muitooooo pobre, não pude identificar qualquer nível de insegurança, muito pelo contrário. O país é muito tranquilo, com uma população, apesar de ressentida pela guerra recente, muito simpática.

Comunicação:
Idioma oficial é o Khmer. O país foi colônia da França, e por isso em algumas regiões é possível encontrar pessoas, principalmente as mais idosas, que falam o francês. É possível se comunicar em inglês nos hotéis e em restaurantes frequentado por turistas. Nos outros lugares………a mímica resolve 🙂

Se você não consegue ficar desconectado da internet, uma ótima notícia, a rede Wifi é encontrada facilmente nos hotéis, e em quase todos os restaurantes, sem a necessidade de pagamentos extras 🙂

Camboja 21
Pub Street, no centro de Siem Reap

Culinária:
Confesso que de toda a Indochina, a culinária do Camboja foi a que mesmo me agradou 😉 e olha que provei de tudo um pouco, ou melhor, de quase tudo!

Camboja 16
A parte exótica da culinária local

A culinária Kelmer tem o seu lado exótico também, com alguns personagens bem exóticos, como grilos, tartarugas e aranhas, mas talvez o Peixe Amok, seja o prato mais popular no Camboja. Um peixe preparado com leite de coco, temperado na medida certa com capim limão, “fingerroot” (um parente do gengibre, porém mais suave no sabor) e outras especiarias. Este prato é tradicionalmente servido na folha de bananeira.

Camboja 15
Amok, típica culinária local

Provei também o churrasco Cambojano, sim, churrasco! É verdade que bem diferente que o nosso, mas tem quem goste 😉

Camboja 17
Localizado na Pub Street em Siem Reap

Te convido a acessar também:
Instagram:@sorayaresende
Twitter: @sorayaresende
Fanpage: facebook.com/poraicomigo
YouTube: YouTube: youtube.com/poraicomigo
Contato: soraya@poraicomigo.com.br 

Leia também outros post relacionados ao destino:
Entendendo o Vietnã
Hanói, visitando a capital do Vietnã
Halong Bay
Hué, Vietnã
Hoi An, Vietnã
Tailândia, Uma Nação de Cores, Sabores e Culturas
O paraíso chamado Ilhas Maldivas

Texto e Imagens: Soraya Resende 

Todos os direitos reservados.
2016© Por aí Comigo. Está proibida a reprodução, sem limitações, de textos, fotos ou qualquer outro material contido neste site, mesmo que citada a fonte. Caso queira adquirir nossas matérias, entre em contato.

Camboja 20
Uma viagem diferente!!!!