10 Dicas para Viajar Apenas com Bagagem de Mão

6 de abril de 2017

Clique acima para assistir ao video

10 Dicas para Viajar Apenas com Bagagem de Mão

 

Leia Também:
Como Alugar um Carro nos Estados Unidos
Imigração Europeia – Documentos Solicitados
Chegada no Brasil, Imigração, Alfândega e Free Shop

Faça frio ou calor, é uma mala de mão só! Acha impossível? Para mim não!!! É só uma questão de prioridade e desapego. Quem está acostumado a viajar e despachar bagagem sabe: extravios, roubos, ou até mesmo ter a mala danificada, não é exceção.

Cansei de ter mala extraviada! Lembro-me muito bem de alguns transtornos importantes.

Consegui uma semaninha de férias com o meu marido, resolvemos mergulhar em Bonaire, Caribe. Uma viagem rápida, de apenas 7 noites. Resultado, a minha mala com TODOS os meus equipamentos para mergulhar e todas as minhas roupas, inclusive os biquínis, extraviados!!! Passei a semana inteira sem nada, mergulhando com 1 short preto e uma camisa preta do meu marido, e mergulhando com equipamentos alugados, bem inferiores aos meus, isso para não perder o mergulho também. Ahhh, a mala, só recebi no retorno ao Brasil, já na conexão em Caracas.

Uma outra viagem que me marcou muito também foi ao Qatar e ao Japão, viagem tão sonhada e planejada, afinal de contas era a minha estreia na Ásia, e logo no país que eu mais desejava, o Japão. Resultado: 3 dias sem mala em Doha, Qatar, e mais 5 dias sem nada em Kyoto, Japão. A minha salvação foi que eu tinha começado a aprender a importância da bagagem de mão, e estava portando uma pequena nécessarie e 3 mudas de roupas. Confesso que fiquei muito chateada, muito mesmo, um frustração imensa, mas percebi que com o pouco que eu tinha, e com poucas coisas que comprei, consegui sobreviver.

Consegui sobreviver muito bem apenas com “Bagagem de Mão” no Japão!

A partir daí, passei a viajar com “quase tudo” essencial para a viagem na bagagem de mão, e “quase nada” na mala despachada. Aprendi com os traumas!

O tempo passou e evoluí por completo. Consegui!!!!! Em TODAS as minhas viagens pessoais de turismo é assim, APENAS bagagem de mão, mas confesso que já fui bemmmm diferente!

São tantas vantagens, desde ganhar tempo ao fazer o check-in, já que é possível fazer antecipadamente via digital, como não precisar esperar para retirar malas em esteiras, optar por voos low-cost sem preocupação com excesso de bagagem, até mesmo ter a possibilidade de utilizar outras alternativas de transporte que não seja apenas os caríssimos taxis na ida ou saída dos aeroportos pelo mundo, além de não ter o risco de ter a mala danificada, extraviada, perdendo nossos objetos pessoais queridos e que fazem muita falta em qualquer viagem. Concordam comigo que são só vantagens?

Muitas pessoas me perguntam “como eu consigo”. Respondo logo, não tem mágica, é ser prática, eficiente na escolha do que levar e principalmente praticar o desapego. Para provar que é possível sim, eu vou relacionar aqui algumas dicas importantes, que eu pratico, para você também viajar apenas com bagagem de mão, nos padrões exigidos atualmente pelas companhias aéreas, ou seja, mala de no máximo 10 Kg em classe econômica.

1)A escolha da mala de mão – Esse é a primeira e talvez a mais importante das dicas. Eleja a sua mala de mão oficial, que tenha um bom aproveitamento de espaço, que seja confeccionada em um material leve, que tenha a alça dupla, e que seja no limite do tamanho oficial permitido por todas as companhias aéreas pelo mundo (55cmx40cmx20cm), não ultrapassando 115cm. Vou dar o meu exemplo: usava essa mala na imagem 1, de uma marca bemmmm cara, e totalmente inconveniente para viagens. Aproveitamento interno péssimo, bem pesada e com a alça individual, que não me permitia adicionar mais uma bagagem extra. Troquei para a mala da imagem 2, excelente em todos os aspectos. Bem mais leve, apenas 3,1 kg, a parte interna perfeita, inclusive com divisórias e compactadores das roupas, e com a alça dupla, que me permite sempre anexar mais uma bagagem de mão, estilo bolsa, onde geralmente coloco os meus pertences mais pesados, já que essa bagagem anexa estilo bolsa não é pesada pela companhia aérea.

Imagem 1 – Mala que eu utilizava, e totalmente inconveniente! Não recomendada .
Imagem 2 – Material leve, boa divisão e alça dupla. Aprovada!

2)A escolha e organização da nécessaire – O grande erro da maioria dos viajantes é exatamente nesse item. Querem levar de tudo, e em tamanhos exagerados. Para que levar um frasco de perfume que dá para 6 meses em uma viagem de 15, 20 dias? Ou levar um shampoo ou condicionador em tamanho família? Não há necessidade!!! Tenho TUDO que preciso em tamanho miniatura, desde creme para o rosto, hidratantes, perfume e todo o resto. No caso de shampoo, condicionador, sempre levo um pequeno, e uso também dos hotéis por onde passo. Quando a viagem é longa e preciso de algo mais, compro no local, simples assim!!!! Dessa forma não levo peso desnecessário e respeito o limite das companhias aéreas de portar em bagagem de mão apenas produtos líquidos em frascos de até 100 ml. A minha nécessaire fica sempre arrumada da forma que está na imagem 3. Veja que ela é também em um material leve e com várias divisórias. Tudo que é liquido, já deixo dentro desses sacos estilo zip lock, imagem 4, exigência na passagem de algumas imigrações pelo mundo, além de proteger meus outros pertencer em caso de alguma “lambança”! Ahh, levo também uma nécessaire pequena com alguns remédios #FicaDica

Imagem 3 – Minha nécessaire, marca Benetton.
Imagem 4 – modelo saco zip lock

3)Além da mala de mão! – Sempre viajo com uma bolsa/pasta, imagem 5, que acaba sendo uma extensão da mala de mão, fixando na alça dupla da mala. É nela que acabo acomodando meus objetos mais pesados, como computador, câmera (s), documentação e algumas vezes até a nécessaire. A vantagem é que essa bolsa nunca é pesada pela companhia aérea, além de ser muito mais prática para retirar o computador e a nécessaire na passagem pela fiscalização de segurança.

Imagem 5 – Bolsa/Pasta extensão da mala.

4)A escolha e organização da bolsa pessoal – Eu gosto muito de viajar com mochila, prefiro as de cores mais neutras como essa preta, imagem 6. É versátil e bem prático no dia a dia da viagem. As vezes opto em viajar com bolsa “tiracolo”. Dentro, guardando em um bolsinho interno, apenas uma carteirinha com documentos, dinheiro e cartões de crédito, meu celular inseparável, carregador, um power bank e óculos escuro.

Imagem 6 – Eu e minha inseparável mochila Por aí…..

5)Levar apenas o que realmente é necessário – Na minha bagagem de mão NÃO entra o desnecessário. Por exemplo, secador de cabelo, todo hotel tem, dos hotéis mais simples aos mais luxuosos. Também não levo ferro de passar, mesmo sendo portátil, quando há necessidade, solicito no hotel. Nada de livros, guias de viagens e muitos papéis. Transformo tudo em PDF e organizo no celular. Muito mais prático!

6)Pesquise sobre o clima e a cultura do destino – Antes de começar a separar as roupas, é necessário saber se no destino estará frio, calor, chovendo, nevando, por isso inclua no aplicativo de temperatura do seu celular as cidades a serem visitadas e comece a olhar um pouco antes da viagem. É interessante também pesquisar sobre hábitos culturais e religiosos, por exemplo, em países budistas as mulheres, em visitas a templos, precisam estar vestidas cobrindo os ombros e os joelhos e esconder tatuagens. Para homens é tudo mais tranquilo, mas mesmo assim deve evitar os shorts ou bermudas curtas e camisetas regatas nessas visitas religiosas. Em países muçulmanos é interessante levar roupas mais discretas. Já em países mais contemporâneos, roupas elegantes e despojadas.

Respeitando a cultura e religião budista, Tailândia.

7)Roupa, o que levar? – Tecidos leves, de preferencia que amassem pouco, pois não vale a pena levar uma camisa que toma o espaço de 4, ou que sempre será necessário perder tempo passando ferro. Opte por cores neutras, básicas, que combinem entre si, e que possam ser utilizadas em várias ocasiões, dependendo do sapato ou acessório escolhido, por exemplo, um vestidinho básico com um tênis é ótimo para o dia, já com uma sandália legal, um lenço, echarpe ou blazer, já serve para à noite. Regra: todas as partes de cima, combinem com todas as partes de baixo, dessa forma os looks serão sempre multiplicáveis. Tenha em mente que não há problema algum em repetir roupa, dependendo do acessório utilizado, nem percebe-se. Independente do destino e do tempo de duração, eu não levo mais que 10 partes de cima e 5 partes de baixo. Se necessário, lavo!

Começando a preparação da mala de mão!
Tudo pronto!

8)E os sapatos? – Opte pelos mais confortáveis, amaciados e que combinem com tudo, ou quase tudo na mala. Não há vaga para sapatos novos em minha mala de mão. Sempre o maior e mais pesado (mas que seja confortável), é o escolhido para já ir usando. Eu sempre gosto de levar um tênis tipo “basqueteira” preto, pois serve para quase todas as ocasiões (confesso que tenho vários do mesmo modelo e cor), uso com short, calça e até vestido. Levo sempre um tênis esportivo (o mais leve possível) para caminhadas na praia ou até mesmo atividades recreativas esportivas, uma sandália ou sapatilha um pouquinho mais arrumada e as minhas “Havaianas” de sempre. No geral, e no meu estilo de ser, está de bom tamanho. Quando a viagem é para o frio, troco apenas a sandália ou sapatilha por uma bota confortável e que já vou usando.

Os meus sapatos preferidos para viagens!

9)Capriche nos acessórios – O meu exagero na arrumação da mala de mão vai exatamente aqui. Levo vários lenços e echarpes bem coloridos. É o verdadeiro upgrade no look. Serve para cobrir os ombros em visitas a templos budistas, para cobrir a cabeça visitando mesquitas muçulmanas, como também um toque de charme para frequentar restaurantes legais, além de proteger do frio de ambientes bem climatizados. Levo algumas bijuterias também, mas nada pesado.

Em Cortina D’ampezzo, Itália
Em Bangkok, Tailândia.

10)O que não pode faltar na mala de mão? – Uma calça tipo legging preta, um vestidinho liso preto ou azul escuro, uma jaquetinha, blazer ou casaco, dependendo da temperatura do destino da viagem, e que já vou usando, com isso economizando espaço na mala, e pelo menos 1 biquíni, independente de ser frio ou calor. Ahh, levo também uma sacolinha dobrável, essas de nylon de marcas esportivas, quebra o maior galho para o retorno recheado de souvenires, e um adaptador universal de tomada.

Modelo da minha sacola de viagem dobrável.

Viajar apenas com bagagem de mão é uma mudança cultural, por isso não ache que será de uma hora para a outra. Dê tempo ao tempo, mas comece a praticar, você vai ver que não é tão difícil. A cada viagem um aprendizado, uma passo dado para a conquista definitiva do desapego!! Descomplique, elimine, seja prático.

Viajando sempre leve Por aí…….

Tenha em mente:
Se sujar, lava-se!
Se faltar, compra-se!
Se tiver dúvida, não leve! Não será tão necessário.

Não deixe de assistir ao vídeo sobre essas dicas na parte superior do post ou clicando AQUI, preparei com muito carinho especialmente para você. Se gostar, compartilhe e se inscreva em meu canal do YouTube. Toda semana posto vídeo novo de alguma viagem que fiz Por aí…. 

Te convido a acessar também:
Instagram:@poraicomigo
Twitter: @sorayaresende
Fanpage: facebook.com/poraicomigo
YouTube:YouTube: youtube.com/poraicomigo

Contato: blog@poraicomigo.com.br    

Texto e Imagens: Soraya Resende  

Todos os direitos reservados. 2017© Por aí Comigo. Está proibida a reprodução, sem limitações, de textos, fotos ou qualquer outro material contido neste site, mesmo que citada a fonte. Caso queira adquirir nossas matérias, entre em contato.